Quinta-feira, 23.06.16

A bazófia do Fernando Santos e o favoritismo da Croácia

Finda a fase de grupos, uma conclusão é óbvia: a seleção nacional vive num estado de sofrimento emocional agudo. Em três, não conseguiu ganhar um único jogo e esteve com um pé fora do Europeu, só se qualificando em terceiro do grupo.

 

Qual a razão para tanta pertubação, angústia e aflição? Para mim, o principal culpado é Fernando Santos, com o seu discurso de "estatuto", de candidato à final, de "somos muito bons e temos o melhor do mundo connosco".

 

O futebol, todos o sabemos, costuma ser muito cruel com os cagões e os bazófias. Ao colocar a fasquia tão alta, Fernando Santos atirou uma pressão insuportável para cima dos jogadores, que não lidaram bem com a situação. 

 

Faz algum sentido, depois do empate com a Áustria, o selecionador declarar "já avisei a família de que só volto para casa no dia 11 de Julho", o dia seguinte da final do Europeu?

 

Tanta bazófia, deu mau resultado. A seleção emperrou e nos jogos não rendeu o que dela esperávamos. Ou defendia bem, como contra Islândia e Áustria, mas atacava de forma ineficaz e incompetente (50 remates em dois jogos, 1 golo). Ou atacava melhor, mas defendia mal, sofrendo 3 golos da Hungria. 

 

Não me vou alongar em opiniões técnicas e tácticas, mas acho que há jogadores em má forma (Moutinho, André Gomes) e outros cuja melhoria foi lenta (Ronaldo, João Mário). E não estou convencido com o 4-4-2, preferia o tradicional 4-2-3-1 das eras de Humberto e Scolari. 

 

Por outro lado, não me espanta nada que Ronaldo não renda na seleção o que rende no Real. Em Madrid, ele joga ao lado de grandes jogadores (Bale, Modric, Kroos, James, Isco, Marcelo) e sobretudo, joga ao lado de um ponta-de-lança poderoso (Benzema). Na seleção, como sabemos, não existem jogadores desses e não há qualquer ponta-de-lança. 

 

Tudo somado, foi uma prestação fraca, cuja única parte positiva foi ter calhado num caminho para a final onde não estão nenhuma das equipas tradicionalmente mais fortes, como a Espanha, a Alemanha, a França ou a Itália. Porém, pela frente temos a Croácia, que não tem o estatudo das outras, mas é das melhores equipas deste Europeu.

 

Vencê-la vai ser muito difícil e julgo que Fernando Santos devia deixar-se de bazófias tolas e dizer sem receio que, perante aquilo que as duas equipas já fizeram nesta competição, a Cróacia é claramente favorita. 

 

"Mind game" humilde, é a minha sugestão. Retirar a pressão de Portugal e colocá-la na Croácia é talvez a única forma de estabilizar a nossa seleção e tirá-la do estado de sofrimento angustiante em que vive. 

 

PS: E não se esqueçam de começar a treinar os penalties.

publicado por Domingos Amaral às 10:21 | link do post | comentar | ver comentários (3)
Segunda-feira, 23.05.16

"Assim Nasceu Portugal" vai ao Porto!

assim_nasceu_portugal_2_convite (1).jpg

Na próxima quarta-feira, dia 25, vou ao Porto fazer o lançamento de "Assim Nasceu Portugal - A Vitória do Imperador".

Será na FNAC do Norte Shopping, a partir das 18.30. 

Os leitores e amigos que quiserem por lá passar, serão muito bem recebidos.

publicado por Domingos Amaral às 14:08 | link do post | comentar
Segunda-feira, 16.05.16

Afinal, foi o melhor ataque que ganhou o campeonato, não foi a melhor defesa

Há um lugar comum que persiste entre os comentadores de futebol, que repetem à exaustão a velha lenga-lenga: "os melhores ataques ganham jogos, mas são as melhores defesas que ganham campeonatos".

Será assim? Este ano, tal como o ano passado, não foi assim. Nas duas últimas épocas, o Benfica foi o melhor ataque mas não foi a melhor defesa do campeonato, e mesmo assim foi campeão.

 

E ao longo da história, quem tem ganho mais campeonatos, os melhores ataques ou as melhores defesas?

Fui fazer as contas e eis os resutaldos a que cheguei. Em 82 campeonatos nacionais disputados, há mais campeonatos vencidos pelo melhor ataque do que vencidos pela melhor defesa.

 

Há 29 casos (35,3%) em que o campeão teve ao mesmo tempo o melhor ataque e a melhor defesa.

Há 23 casos (28%) em que o campeão teve o melhor ataque, mas não teve a melhor defesa (como este ano o Benfica).

Há 20 casos (24,3%) em que o campeão teve a melhor defesa, mas não teve o melhor ataque.

Por fim, há 10 casos (12,1%) em que o campeão não teve nem o melhor ataque, nem a melhor defesa do campeonato.

 

Conclusão: da próxima vez que ouvir alguém a dizer que para ser campeão é preciso ter a melhor defesa, apresente este números.

Em futebol, é mais importante marcar golos do que não sofrer, pois é com golos que se vencem os jogos...e os campeonatos. 

publicado por Domingos Amaral às 14:50 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Segunda-feira, 09.05.16

Cuidado Benfica, ainda falta um jogo!

É bom que os benfiquistas se lembrem que isto ainda não acabou.

Falta um jogo e embora seja na Luz, não está ganho. Tem de ser jogado e tem de ser vencido, e só depois se poderá festejar.

Aqueles que acham que um jogo não é suficiente para perder um campeonato devem lembrar-se que em futebol, tudo pode acontecer. 

 

Nós, benfiquistas, já tivemos sofrimentos muito grandes nos últimos anos. Perdemos um título no Dragão, e uma Liga Europa, no minuto 92 desses dois jogos.

E antes, tínhamos empatado contra o Estoril em casa...

Nada disso irá acontecer? Eu não me fio em crenças, quero é resultados e esses só os podemos garantir no fim do jogo, não no princípio.

 

Nunca me esqueço de um campeonato perdido pelo Corunha no último minuto, com um penalty desperdiçado pelo Bebeto. Nem da final que o Bayern perdeu, quando o Manchester marcou 2 golos em 3 minutos. Futebol é também isso, terríveis imprevistos.

 

Ainda ontem, na Holanda, o Ajax perdeu um título a meia hora do fim, quando se deixou empatar. Estava à frente do PSV, e estava a ganhar o jogo, mas como sofreu um golo e o PSV venceu o seu jogo, o Ajax ficou em segundo.

 

Acredito que o Benfica tem competência suficiente para vencer o Nacional sem dramas, mas...Muita coisa pode acontecer num jogo. Mau tempo, campo cheio de água, expulsões, má arbitragem.

 

Portanto, luta até ao último minuto, até à última gota de sangue, como disse o Rui Vitória, cada dia melhor treinador. E nada de basófias, nem festejos prematuros.

Este campeonato, que o Benfica merece conquistar, é uma luta que só termina no último segundo, não antes. 

publicado por Domingos Amaral às 13:25 | link do post | comentar
Terça-feira, 03.05.16

"Assim Nasceu Portugal" no top dos mais vendidos

Assim Nasceu Portugal II.jpg

Com apenas duas semanas de venda nas livrarias nacionais, "Assim Nasceu Portugal - A Vitória do Imperador" está já no top dos mais vendidos em várias cadeias. 

Nas lojas Bertrand está no 1º lugar nacional, logo seguido em 2º lugar pelo primeiro volume da trilogia, "Assim Nasceu Portugal - Por Amor a Uma Mulher".

 

O mesmo se passa nas livrarias Bulhosa, o novo livro em 2º lugar, o primeiro volume no 2º lugar das vendas. 

Na FNAC, o livro está também no topo dos mais vendidos, em 8º lugar; e no top do Continente está em 5º lugar. 

 

Ao fim de quinze dias, estou muito contente com a resposta do público, que me dá ainda mais gosto para escrever o 3º volume da trilogia, coisa que já estou a fazer.

 

publicado por Domingos Amaral às 11:28 | link do post | comentar
Terça-feira, 26.04.16

Entrevista na TSF: eu, o meu pai e Afonso Henriques

Assim Nasceu Portugal II.jpg

Na passada semana, fui à TSF, ao programa "Uma Questão de ADN", na companhia do meu pai, Diogo Freitas do Amaral, para falarmos sobre Afonso Henriques.

O pretexto foi o meu novo livro, "Assim Nasceu Portugal - A Vitória do Imperador" e a entrevista aos dois foi conduzida, e muito bem, pela jornalista Teresa Dias Mendes, que foi colocando perguntas a ambos durante mais de uma hora.

Além de falarmos do meu romance mais recente, falámos também sobre a biografia que o meu pai escreveu sobre Afonso Henriques há já dez anos, e claro, um pouco da vida política dele e o quanto ela influenciou a minha.

Foi um momento de que ambos gostámos, e se algum leitor quiser ouvir, pode ir ao site da TSF e clicar no link que aqui deixo: 

http://www.tsf.pt/programa/uma-questao-de-adn/emissao/freitasdo-amaral-e-domingos-amaral-5137486.html

publicado por Domingos Amaral às 17:35 | link do post | comentar
Quarta-feira, 20.04.16

"Assim Nasceu Portugal - A Vitória do Imperador": à venda nos CTT e com anúncio na televisão!

Assim Nasceu Portugal II.jpg

O meu novo livro está à venda nas livrarias mas também em todas as lojas dos CTT espalhadas pelo país.

Além disso, já há também um anúncio que passará em breve nas televisões portuguesas, e que pode ver aqui

 

O livro chama-se "Assim Nasceu Portugal - A Vitória do Imperador", e é o segundo volume da trilogia sobre a vida de Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal. 

 

Passado entre 1130 e 1140, descreve uma década de fortes lutas que os portucalenses têm de travar, contra o Imperador Afonso VI, rei de Leão e Castela, primo direito de Afonso Henriques, mas também contra os mouros, nomeadamente a famosa batalha de Ourique, onde se dá um milagre que abençoa as tropas portucalenses. 

 

Além disso, é igualmente a continuação da atribulada história de amor vivida por Afonso Henriques e Chamoa Gomes, a sua grande paixão, que era sobrinha de um dos maiores inimigos do príncipe de Portugal, Fernão Peres de Trava.

 

 

 

 

 

publicado por Domingos Amaral às 10:55 | link do post | comentar
Quinta-feira, 14.04.16

Quer ouvir o 1º capítulo de "Assim Nasceu Portugal - A Vitória do Imperador"?

Assim Nasceu Portugal II.jpg

Se ainda não comprou o meu novo livro, mas quer ouvir o primeiro capítulo de "Assim Nasceu Portugal - A Vitória do Imperador", tem aqui a possibilidade de o fazer.

É muito fácil, basta clicar neste link, "Assim Nasceu Portugal - A Vitória do Imperador", fazer o download e depois ouvir o início da história, narrada pelo próprio autor.

 

Neste segundo livro da trilogia dedicada à vida de Afonso Henriques, continua o seu romance tórrido com a bela Chamoa Gomes, grande paixão do príncipe de Portugal.

Mas este é um amor atribulado e cheio de peripécias e, logo no primeiro capítulo, um inesperado acontecimento vai perturbar perigosamente a relação entre os dois.

 

"Assim Nasceu Portugal - A Vitória do Imperador" já está à venda nas livrarias e é o segundo volume da trilogia, que se iniciou com "Assim Nasceu Portugal - Por Amor a Uma Mulher".

Neste segundo livro, que vai desde 1130 até 1140, os portucalenses vão ter de lutar ferozmente pelo nascimento de um novo reino, de um Portugal já independente.

 

Na fronteira norte do Condado Portucalense, no Minho e na Galiza, as tropas de Afonso Henriques terão de batalhar contra as forças do seu primo direito, Afonso VII, o Imperador dos Cinco Reinos, rei de Leão, Castela, Galiza, Navarra e Aragão.

 

E, na fronteira sul, as lutas serão igualmente tremendas contra os muçulmanos, seja em Leiria ou Tomar, seja na famosa batalha de Ourique, onde um milagre acontece, abençoando os portucalenses, que aclamam finalmente Afonso Henriques como rei! 

 

É essa a história deste segundo volume, a luta pela independência de um povo e de um príncipe que não se submetem, mas também a história dos amores e desamores de Afonso Henriques, e é isso que começamos também a perceber logo desde o primeiro capítulo, que aqui pode ouvir. 

publicado por Domingos Amaral às 12:02 | link do post | comentar
Terça-feira, 12.04.16

Já nas livrarias: "Assim Nasceu Portugal - A Vitória do Imperador"

Assim Nasceu Portugal II.jpg

A partir de hoje, o meu novo livro já está à venda nas livrarias. Chama-se "Assim Nasceu Portugal - A Vitória do Imperador", e é o segundo volume da trilogia sobre a vida de Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal. 

 

Passado entre 1130 e 1140, descreve uma década de fortes lutas que os portucalenses têm de travar, contra o Imperador Afonso VI, rei de Leão e Castela, mas também contra os mouros. 

Além disso, é também a continuação da atribulada história de amor vivida por Afonso Henriques e Chamoa Gomes, a sua grande paixão, que era sobrinha de um dos maiores inimigos do príncipe de Portugal, Fernão Peres de Trava.

 

A história começa em Guimarães, onde depois de se reconciliar com Afonso Henriques, uma aterrada Chamoa Gomes descobre que está grávida de outro homem, o que enfurece o príncipe de Portugal, que a expulsa do castelo.

O atribulado romance entre ambos vai viver uma nova provação, dolorosa e duradoura, mas o amor nunca se extinguirá ao longo de mais de uma década onde as guerras são permanentes em duas frentes.

 

Na fronteira sul do Condado Portucalense, enquanto os templários procuram a sagrada relíquia da Terra Santa, os muçulmanos vão lançar violentos ataques e os cristãos vão recusar a proposta pacificadora da princesa Zaida, que deseja casar-se com Afonso Henriques para unir a Andaluzia ao novo reino de Portugal. 

Numa convulsão sangrenta, Leiria e Tomar são destruídas pelo emir de Córdova, o príncipe Ismar, e a luta contra este atingirá o seu auge na famosa batalha de Ourique, onde um milagre divino abençoa os portucalenses, que aclamam Afonso Henriques como o seu rei.

 

Entretanto e na fronteira norte, acima do rio Minho, há muito que prossegue a bélica e vingativa campanha do nobre galego Fernão Peres de Trava, repleta de tortuosos estratagemas e combates intensos, travados em Celmes, Tui e Cerneja e liderados pelo próprio rei de Leão e Castela, Afonso VII. 

O poderoso e sagaz primo direito de Afonso Henriques, além de se coroar Imperador da Hispânia, tudo faz para derrotar o príncipe de Portugal, incluindo tentar seduzir a bela Chamoa...

  

publicado por Domingos Amaral às 12:07 | link do post | comentar
Segunda-feira, 14.03.16

Furminator, a descoberta do ano!

rake.jpg

Quem vive com um Labrador em casa, sabe o que sofre, pois não há cão que deite mais pêlo.

O meu é negro, o que só piora as coisas, e a minha casa enche-se de pêlos escuros, que se espalham na sala, no corredor, na cozinha, até no interior dos armários.

 

O combate permanente contra o pêlo era intenso lá por casa, mas até há pouco tempo, extremamente inglório.

Por mais que nós aspirássemos o chão e escovássemos o Benji, os pêlos multiplicavam-se e caíamos derrotados no sofá, implorando pela salvação contra o maldito pêlo.  

 

Foi então que a Sofia fez uma descoberta única na net: a Furminator.

Tem um cabo pequeno e um pente muito duro e fino, parecido com aqueles com que tiramos os piolhos às crianças e faz juz ao nome.

 

Na verdade, a Furminator é um verdadeiro Terminator de pêlos. Cinco minutos a escovar o Benji e não só deitamos no lixo pêlo suficiente para encher uma almofada grande, como desaparecem praticamente os vestígios de filamentos negros da casa.

 

Eu diria que a Furminator abate 99% dos pêlos, é uma verdadeira exterminadora implacável dos meus problemas domésticos. Finalmente, vive-se melhor lá em casa, abençoada Furminator! 

 

Quem quiser conhecer melhor, aqui fica o link:

http://www.furminator.com/Products/Dogs/dog-grooming-combs-rakes/dog-grooming-rake.aspx

publicado por Domingos Amaral às 12:12 | link do post | comentar | ver comentários (1)
 

Livros à venda

posts recentes

últ. comentários

arquivos

Posts mais comentados

tags

favoritos

mais sobre mim

blogs SAPO

subscrever feeds